Estádio mais caro da Copa do Mundo irá a leilão e já atrai dois consórcios

No centro de um esquema de corrupção que levou dois ex-governadores para trás das grades e teve superfaturamento calculado pela Polícia Federal em R$ 559 milhões, a arena mais cara da Copa do Mundo de 2014 será concedida à iniciativa privada em fevereiro.

O edital definitivo do Estádio Nacional Mané Garrincha, com capacidade para 71 mil torcedores e tido em Brasília como “elefante branco” fora do calendário esportivo-cultural, sai até o fim deste mês e tem dois consórcios interessados em formação.

A concessão será por 35 anos e prevê investimentos totais de R$ 199 milhões no período, incluindo o ginásio poliesportivo Nilson Nelson – cuja estrutura interna não atende atualmente aos requisitos para eventos de alto padrão – e um complexo aquático nas imediações.

A partir do 6º ano de contrato, haverá ainda pagamento mínimo anual de outorga no valor de R$ 5 milhões. Vencerá a concorrência quem oferecer o maior ágio sobre esse valor-base.