PSDB propõe mais impostos para ricos e demitir servidor por mau desempenho

A eterna novela da disputa interna dentro do PSDB teve novos capítulos nesta semana, com a divulgação de um documento pelo Instituto Teotônio Vilela, ligado ao partido, propondo novas diretrizes para a legenda de olho nas eleições de 2018.

No texto Gente em primeiro lugar: o Brasil que queremos, os líderes do PSDB que controlam o instituto, presidido pelo paulista José Aníbal, dizem que é necessário um “choque de capitalismo” no país, propõem novas privatizações e sugerem a cobrança de serviços públicos para o mais ricos.

O Estado, dizem não deve ser “nem máximo, nem mínimo, pois esse é um falso dilema”, diz o manifesto, que também volta a defender o parlamentarismo como sistema de Governo para o Brasil. O texto critica o “populismo” das gestões petistas, mas não faz qualquer autocrítica sobre o período em que os tucanos estiveram na Presidência, entre 1995 e 2002, ou nas décadas à frente do Governos estaduais, como o de São Paulo.