Eike fala de propina para Cabral, Cunha, Funaro e para legalizar cassinos

Em sua negociação com os procuradores do Rio de Janeiro, Eike Batista já definiu o cardápio da delação premiada que pretende fazer. Além de Lula e Sete Brasil, o menu compõe-se de itens variados.

Eike promete contar sobre propinas dadas ao onipresente Sérgio Cabral para liberações de seus projetos nos órgãos ambientais. Diz que falará sobre a propina que deu a Eduardo Cunha e a Lúcio Funaro para que o FI-FGTS investisse R$ 750 milhões na LLX (atual Prumo). Quer detalhar ainda a propina que deu a congressistas para que a lei que legaliza os cassinos seja aprovada.E também acusará seus ex-executivos Paulo Mendonça e Marcelo Torres de comandarem um esquema de manipulação na bolsa com ações de empresas do grupo X.

Por enquanto, não é ainda um cardápio que adoce a boca dos procuradores.

 
O Globo